Máximo Augusto Martins Nagalho

06 de agosto de 1929 - 13 de março de 2016

Idade: 86 anos
Naturalidade: Penha de França
Pai: Luís António Furtado Martins Nagalho
Mãe: Maria dos Prazeres
Residência: Olivais
Celebração: 15-mar-2016 - 12:30
Funeral: 15-mar-2016 - 13:00
Cemitério: Olivais

Encomendar Flores
Máximo Augusto Martins Nagalho

06 de agosto de 1929 - 13 de março de 2016

Idade: 86 anos
Naturalidade: Penha de França
Pai: Luís António Furtado Martins Nagalho
Mãe: Maria dos Prazeres
Residência: Olivais
Celebração: 15-mar-2016 - 12:30
Funeral: 15-mar-2016 - 13:00
Cemitério: Olivais

Encomendar Flores

Deixe a sua homenagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

3 Homenagens

  1. Até Sempre


    «Os ventos que às vezes tiram algo que amamos, são os mesmos que trazem algo que aprendemos a amar…
    Por isso não devemos chorar pelo que nos foi tirado e sim aprender a amar o que nos foi dado.
    Pois tudo aquilo que é realmente nosso, nunca se vai para sempre.»

  2. Ribeiro Conchita

    Paz à sua alma

  3. Fernando Dionisio

    Paz à sua alma

Deixe a sua homenagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

3 Homenagens

  1. Até Sempre


    «Os ventos que às vezes tiram algo que amamos, são os mesmos que trazem algo que aprendemos a amar…
    Por isso não devemos chorar pelo que nos foi tirado e sim aprender a amar o que nos foi dado.
    Pois tudo aquilo que é realmente nosso, nunca se vai para sempre.»

  2. Ribeiro Conchita

    Paz à sua alma

  3. Fernando Dionisio

    Paz à sua alma

Deixe a sua homenagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

3 Homenagens

  1. Até Sempre


    «Os ventos que às vezes tiram algo que amamos, são os mesmos que trazem algo que aprendemos a amar…
    Por isso não devemos chorar pelo que nos foi tirado e sim aprender a amar o que nos foi dado.
    Pois tudo aquilo que é realmente nosso, nunca se vai para sempre.»

  2. Ribeiro Conchita

    Paz à sua alma

  3. Fernando Dionisio

    Paz à sua alma